7 lições que aprendi com o livro “Mostre Seu Trabalho!”

Depois de ter lido o best-seller “Roube como um artista”, que já digo de passagem ter amado (até falei dele no meu Instagram — @mabeloop — e em breve falarei mais aqui no blog também), não poderia deixar de ler “Mostre seu trabalho! 10 maneiras de compartilhar sua criatividade e ser descoberto” também do Austin Kleon. Nos dois livros eu fiz várias anotações e decidi compartilhar aqui algumas lições que aprendi durante essa última leitura.

Primeiro de tudo, queria apenas compartilhar que consegui adquirir o e-book do livro em uma promoção da Amazon por menos de R$8, fique de olho por lá. E mais uma vez tive uma leitura super fluida e deliciosa. Ao ler 5 páginas que Austin escreveu, você já vai sentir sua energia recarregando. Então, pegue um de seus livros principalmente em momentos de desmotivação e que você acha que não sabe mais o caminho para continuar. Logo você lembrará por onde começar novamente.

1 – Tenha orgulho de não ser um especialista

Logo no comecinho do livro o autor fala sobre a importância de ser um amador. Os especialistas, por precisarem manter a credibilidade, acabam tendo medo de “ser ridículo”. De tentar coisas novas, errar e começar de novo. Um amador não tem esse medo. O autor diz que “eles estão apaixonados. Logo não hesitam em fazer trabalhos que outros achariam bobos ou simplórios”. Então, mesmo que você já seja um especialista, esqueça isso. Torne-se um amador novamente. Não tenha medo de errar, de tentar, testar, e compartilhar suas loucuras. Eu sempre fico com medo de parecer que não sei o suficiente, e durante a leitura eu lembrei que tudo bem eu não saber tudo. Ninguém sabe tudo e isso acaba sendo uma vantagem para nos manter crescendo.

2 – Faça um diário de trabalho

Uma das minhas maiores dificuldades é enxergar minha evolução. A todo momento sinto que estou estagnada. Mas, quando esse sentimento bate forte, dou uma olhada na minha agenda com as listas de tarefas semanais e lembro dos “sufocos” e aprendizados. Durante a leitura resolvi seguir o conselho do autor e começar um diário de trabalho. Não só com tarefas, mas com sentimentos, dificuldades, acontecimentos… vamos experimentar e ver no que dá?

3 – O processo é importante

Por experiência própria, sei o quão as pessoas gostam de ver bastidores. Falo isso repetidamente para os meus clientes, mas ainda há muita resistência em mostrar o lado não glamoroso da carreira. Mas é assim que se cria conexões. Desse modo as pessoas vão ver os seus dias, compreender seu processo e que nem tudo é tão fácil para chegar ao resultado que você mostra. Então, nada de vergonha. Compartilhe seus bastidores. O que está acontecendo por trás daquele resultado incrível. E esse ensinamento se complementa diretamente com o próximo.

4 – “No que você está trabalhando?”

Austin recomenda que façamos sempre essa pergunta ao compartilhar algo. Desse modo vamos evitar nos tornar um spam humano. Outro termo utilizado por ele no livro. Quantas pessoas você acompanha da sua área que estão ocupando seu tempo compartilhando canecas bonitas, a comida do dia, ou cachorros fofinhos? Muitas. Tudo isso é ok quando se trata da sua vida pessoal, mas se você está construindo algo do seu trabalho, isso provavelmente não vá fazer sentido. Apenas se você é alguém que faz canecas, um chefe de cozinha ou veterinário. Enfim, o importante é que você compartilhe coisas que vá acrescentar. Aquelas coisas que você gostaria de aprender e que você aprendeu recentemente. Mostre isso.

5 – “Ensinar não significa competir”

Não que a gente já não tenha ouvido falar disso por aí, mas achei um dos melhores lembretes e a forma como o autor nos proporciona refletir sobre isso. Temos que lembrar que, ao criar algo para falar sobre nosso trabalho, não podemos apenas publicar coisas que fazem bem ao nosso ego: “Eu sei fazer tudo, consigo fazer tudo, fim da história’. Precisamos ir além. Quando você ensina o outro, tem a chance de aprender de volta através de trocas (mesmo que sejam críticas duras, você irá aprender) e de valorizar ainda mais o seu trabalho. Afinal, as pessoas vão notar que você sabe. E mesmo que muitos vão aprender e aplicar o que você ensinar, ainda não ter muitos dispostos a pagar para que você faça. Seja por não saber e ou por reconhecer que você faz melhor.

6 – ‘Se você quer fãs tem que ser um fã”

Um dos momentos que mais concordei com o autor foi quando ele joga na cara do leitor que não adianta a gente apenas querer enaltecer a nós mesmos. Ele usa um ótimo exemplo: “Não dá para ser escritor, sem ser leitor.” E eu concordo completamente. Temos que fazer parte da comunidade, acompanhar pessoas e aprender com outros profissionais. Essa mistura com certeza traz um resultado muito melhor do que a pessoa que apenas quer exibir aquilo que ela é e sabe. Então, pegue suas melhores referências e seja participativo. Siga, aprenda, comenta, compartilha em outros perfis e seja um fã.

7 – Evite os vampiros

Por fim, entre os aprendizados e lembretes que mais gostei de ler no livro foi sobre o “teste do vampiro”. Austin diz que, se após você sair com uma pessoa se sentir desgastado e esgotado, significa que ela sugou sua energia, é um vampiro. E o mesmo vale para trabalhos e clientes. Se você tiver fazendo algo que está te deixando com a energia baixa, repense. Veja se há alternativas para melhorar isso ou eliminar esses vampiros da sua vida. É algo que eu tenho conseguido praticar a minha vida toda, e sou grata por poder fazer isso. Não forço relações pessoais nem profissionais que me deixem pra baixo. Mas é sempre bom lembrar que devemos de fato agir assim. Apesar de muita gente criticar e achar que você não sabe lidar com os outros, eu acredito que você não precisa aceitar todas as pessoas na sua vida. Lide com algumas, e elimine o resto.É isso, esse é um resumão do que aprendi lendo o livro, ou melhor, da minha interpretação dessa leitura. E mais uma vez, recomendo demais! Esse post não substitui a importância de você lê-lo. E lembro que é realmente uma obra necessária para quem está procurando como expor mais o seu trabalho, compartilhar ensinamentos e atrair mais olhares e clientes. Então espero que o que eu disse aqui tenha te incentivado a buscar pela escrita original. Mas que você tenha conseguido captar esses ensinamentos também.

Me conta nos comentários, você já leu esse livro? O que achou?

Autor: Camila Mabeloop

Oi, meu nome é Camila Mabeloop. Sou jornalista, paulista, vegetariana e uma típica libriana, cheia de dúvidas. Mas algumas coisas são certas: sou apaixonada por livros, filmes, séries, chocolate e por passar horas CRIANDO.

Uma consideração sobre “7 lições que aprendi com o livro “Mostre Seu Trabalho!””

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s